Coluna Em Dia - Espírito olímpico

O Brasil vive uma experiência histórica promovendo em seu território a Olimpíada deste ano. Apesar de todas as dificuldades, os Jogos se apresentam para o mundo todo emoldurados pela beleza da paisagem do Rio de Janeiro e de forma absolutamente interessante numa cobertura eletrônica inédita e isto ajuda. Acompanhar as disputas é uma atividade lúdica e, para quem pode a ela se dedicar, uma lição constante do que há de mais importante em nossa civilização. Trata-se de vários exemplos de atitude e valores. Ao observar as palavras de nosso medalhista prateado na ginástica de solo, uma reflexão de imediato desponta: as derrotas são as melhores lições para as vitórias que um dia sempre podem acontecer, basta, para isto, persistir no objetivo.

A competição é algo fundamental em nossas vidas. Devemos entendê-la como a máxima expressão da natureza, do fenômeno que a cada dia privilegia tudo o que existe em termos de espécies vivas em nosso planeta. A seleção é contínua na natureza e estabelece regras que sustentam tudo pelo simples fato de que a capacidade maior de sobrevivência, de atingimento de metas e objetivos, é privilegiada naturalmente e isto é bom para tudo e para todos. A natureza privilegia os melhores por que isto é bom para todos, sustentando todo o sistema.

Interessante notar que a racionalidade humana, operada pelo ser que por suas próprias capacidades superiores domina o planeta, distorce muitas vezes os valores desta mesma natureza. Ao disseminar situações artificiais de não competição, de uma igualdade que deveria prevalecer na sociedade, muitos acham que aí podem construir situações sociais de bem-estar. Interessante que todas as tentativas históricas neste sentido não se sustentaram e acabaram em profundas crises e na falta de recursos. Seria como se todos pudessem obter a medalha de ouro evitando sempre toda e qualquer derrota. Isto não desenvolve o espírito olímpico e não desenvolve nenhuma sociedade que possa progredir de forma sustentável.

Felizzola escreve a coluna EM DIA, em Zero Hora, às terças-feiras, a cada 15 dias.